sexta-feira, 30 de abril de 2010

Acabou a novela PT e PDT?



A novela criada em torno da aliança PT e PDT parece estar na última semana. O próprio (pré) candidato o senador Osmar Dias declarou a jornalista Roseli Abraão que é inviável retomar as negociações com os petistas, trocando em miúdos a aliança naufragou.
E agora Dias se encontra no maior bagunça eleitoral, está sem o PT e para encontrar um outro partido de expressão é praticamente impossível.
O PSDB já lançou a candidatura de Beto Richa, e ele está até em ritmo de campanha. O PMDB mesmo dividido parece não abrir mão da candidatura própria, e para complicar o PT anda namorando a possibilidade de indicar o vice da chapa peemedebista.
Os Democratas (DEM), do deputado Abelardo Lupion, seriam praticamente uma carta na manga para embalar a candidatura pedetista. O problema é que eles vêem respeitando a decisão da executiva nacional que é apoiar o candidato do PSDB.
A turma pedetista depois de tentar impor tantas exigências acabou sendo o boi de piranha*, teve coragem e se lançou a pré-candidatura, se depois das convenções permanecerá veremos no período do pleito eleitoral.
Estamos de olho neles.



* Boi de piranha: A expressão "boi de piranha" tem origem no Pantanal, e seu significado é relacionado ao fato de que no Pantanal existem trechos de rios infestados de piranha, razão pela qual o boi mais velho do gado (o boi de piranha) é jogado (ainda vivo) às piranhas, para que o restante da boiada possa atravessar o rio sem ser mordido por elas.



Encruzilhada




A situação da (pré) candidatura de Osmar Dias está delicada, é muito triste ver um senador que esteve tão perto de ganhar as últimas eleições correr o risco de não conseguir lançar sua candidatura.
A aproximação do PDT com o PT parece ter nascido rodeada de interesses, dos petistas preocupados com a necessidade de formar o palanque das (pré) candidatas Dilma Rousseff presidência e Gleisi Hoffmann senadora. Também do interesse dos pedetistas de pegar carona na popularidade do presidente Lula.
Como cada partido tinha suas prioridades, e próprias aspirações o cenário de discussões se tornou um palco onde cada um disparava suas declarações, um mar de boatos onde nada se definiu.
Em meio a isso o senador está numa “encruzilhada” não sabe se mantém a candidatura correndo o risco de formar palanque com partidos de pequena expressão, ou se lançar ao senado novamente.
E o PT parece ter mudado o rumo dos seus passos andam conversando com o governador Orlando Pessuti, ontem até Paulo Bernardo confirmou o namoro com o PMDB.
Não apenas os petistas, como o PDT representado por Dias, estão tentando se aproximar de Pessuti, tanto que ele usou a bancada do senado para lutar contra a multa do Banestado.
Parece que o governador pode dar uma virada de mesa, ele que parecia ser chacota virou alvo de PT e PDT em busca do seu palanque.
Quem tem que se cuidar é Osmar Dias, ou firma ou sua candidatura e define seu caminho, ou enfrentará uma candidatura desgastada.
E nós continuamos de olho nos pré-candidatos.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Para refletir

                                                                Roque Sponholz

Notícia 1:

"Sarney" aparece em caixa 2 de Arruda.

Notícia 2:

+ Senador nega envolvimento com ex-governador.

"Onde há fumaça, há fogo"

Nós eleitores temos que ficar de olho.

Fonte: www.estadao.com.br/brasil

Outro capítulo da novela PDT


A (pré) candidatura de Osmar Dias parece não ser mais uma novela e sim uma boataria sem fim, tem horas que o PT através de André Vargas declara querer reunir todo mundo PDT, PMDB e PT.
Em seguida lança-se outro boato de que Lula vai intervir e colocar Gleisi Hoffmann como vice de Dias, logo surge outro comentário que a petista será candidata ao senado.
Ontem o presidente estadual do PT, o deputado Ênio Verri, chamou o senador de ingrato e egoísta, além de afirmar que Dias está sendo intransigente em não compreender que o PT lançará Gleisi ao senado.
Ontem pela manhã tudo parecia desandar para OSmar Dias, pois não conseguia livrar o Paraná do fim da multa do Banestado, e não avançava nas negociações petistas.
O fim da multa bo Banestado justamente agora com Orlando Pessuti no governo não demonstra que Dias está com o pé em duas canoas?
Ele fica bonzinho com o PMDB e garante uma aliança caso sua candidature se perca em meio a tanta boataria?
Vamos ficar de olho nos próximos capítulos da candidatura pedetista.
Estamos de olho na corrida eleitoral.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

E agora Ciro?

                                                                                                   Roque Sponholz


O deputado federal Ciro Gomes (PSB) bem que tentou impor sua candidatura, mas não conseguiu convencer seu partido. Na noite de ontem postou no seu blog um desabafo do que considera ter sido um erro tático.
Muito modesto titulou seu comentário “Ao rei, tudo, menos a honra”, ele aceita descontente essa decisão, talvez por acreditar que sendo candidato e apoiando um chapa apenas no segundo turno poderia garantir bons espaços no governo.
"A cúpula de meu partido, o PSB, decidiu-se por não me dar à oportunidade de concorrer à Presidência da República. Esta sempre foi uma das possibilidades de desdobramento da minha luta. Aliás, esta sempre foi a maior das possibilidades. Acho um erro tático em relação ao melhor interesse do partido e uma deserção de nossos deveres para com o país", escreveu.
A insistência em ser (pré) candidato à presidência inviabilizou a possibilidade de lançar-se ao governo de São Paulo com o apoio do PT, que diante da indecisão de Gomes lançou o senador Aloísio Mercadante.
Na tentativa de um golpe de misericórdia utilizou seu blog para pressionar o PSB, e até disparou ataques contra o PT, mas nada convenceu os pesebistas que era importante ter seu próprio candidato.
E agora será que Ciro Gomes continuará filiado ao partido que inviabilizou seu projeto político?
Vamos ficar de olho.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Corrida das Araucárias




A corrida pelo primeiro lugar no Palácio das Araucárias está embolada, os candidatos estão cada um num nível diferente da competição.
O PSDB está um pouquinho na frente devido à unanimidade do nome do (pré) candidato Beto Richa e a maratona dele pelo interior tem o colocado em vantagem dos outros nomes. Mantém uma proximidade com os eleitores enquanto os concorrentes continuam em negociação.
O PDT do (pré) candidato Osmar Dias continua enrolado tentando acertar a aliança com o PT, não embala a campanha e vive em meios aos boatos que essas negociações lançam diariamente na imprensa.
O PMDB agora é uma incógnita depois das farpas lançadas pelo ex-governador Roberto Requião contra as atitudes do seu sucessor e (pré) candidato Orlando Pessuti parece ter estremecido as relações entre os peemedebistas.
Pessuti até tentou dizer que Requião é seu amigo, e está ao seu lado mas parece não ter convencido, a ala aliada ao ex-governador está tramando boicotes a campanha do peemedebista.
O deputado petista André Vargas parece estar querendo brilhar na campanha sempre com declarações controversas. Num primeiro momento bombardeou Dias, depois declarou bênçãos à aliança com os pedetistas. A última foi que sonham em construir um super-palanque reunindo PT, PDT e PMDB.
Já foi dada a largada só falta aos (pré) candidatos tomarem fôlego para a vitória.
E nós continuamos de olho nos passos deles.



Amigas?


                                                       Roque Sponholz

A (pré) candidata a presidência Dilma Rousseff esteve ontem no Centro Cultural do Brasil (CCBB), atual sede do governo, e ela não foi ao encontro do presidente “cabo eleitoral” Lula e sim para se reunir com a primeira-dama Marisa Letícia.
Dilma declarou que sempre ouve os conselhos de D. Marisa, esse encontro não seria uma tentativa de demonstrar que não há nenhuma rusga na relação entre as duas. Muito especulou-se que o relacionamento entre elas nunca foi tão bom como parece.
A ex-ministra disse que encontrou o presidente rapidamente após a conversa dela com a primeira-dama.
Será que o tutor da (pré) candidata conversou com sua esposa para que ela visse com bons olhos o empenho dele em eleger Dilma?
E esse encontro tentou aproximá-las para que demonstrassem sintonia entre elas em futuras aparições públicas?
E nós continuamos de olho nos (pré) candidatos.





segunda-feira, 26 de abril de 2010

Treinamento

                                                                              Roque Sponholz


O sinal de alerta já acendeu para os petistas tanto que o presidente Lula convocou a pré-candidata Dilma Rousseff para uma conversa, com a intenção de ajustá-la nesse momento de pré-campanha.
A conversa da petista com o presidente aconteceu na última sexta, mesmo preocupado com os passos de Dilma o presidente continua confiante de que ela será eleita.
Os assessores acreditam que nas recentes aparições na TV ela demonstrou sinais de nervosismo, e pecou ao utilizar-se de respostas longas, ainda deixou sem conclusão alguns pontos.
O presidente acha necessário nesse momento reduzir a agenda de compromissos de Dilma para que ela foque num treinamento de táticas de campanha. Alguns aliados acreditam que seria importante o aprimoramento até do conteúdo dos discursos da pré-candidata.
Os assessores querem desviar a petista de assuntos polêmicos como a comparação Lula e FHC, e focar num discurso próprio com temas ligado a mulher, criança e juventude. Com propostas do PT e não ataques eleitoreiros aos outros partidos.
E se eleita continuará moldada pelo partido ou terá voz ativa no seu governo?
Vamos continuar de olho na corrida eleitoral.

Fonte: Lula chama Dilma e pede mudança de discurso na TV ( Folha de São Paulo Edição n.º 29.608)

domingo, 25 de abril de 2010

De olho nos partidos

                                                             Roque Sponholz

O PSDB e o PT estão de olho nos partidos indefinidos correm contra o tempo para fechar alianças que contribuirão para a formação do tempo de propaganda, e ainda dos palanques pelos estados.
A briga de foice está entre PP e PTB, petistas negociam com o Partido Progressista e tucanos com o Partido Trabalhista Brasileiro. Tanto um quanto outro estão tentando atrapalhar as negociações, impedindo assim a conquista de minutos valiosos na TV.
Essa tentativa de neutralizar está causando embates dentro dos partidos, o PTB liderado por Roberto Jefferson, não formalizaria com o PT, mas a bancada petebista e a maioria de prefeitos querem ficar no palanque de Dilma Rousseff. Tentativa de aparecer bem na foto devido à popularidade do presidente Lula.
Reuniões internas do PTB protelaram a decisão para o próximo mês, mesmo assim o presidente do PSDB Sérgio Guerra, falou que os tucanos tem se entendido bem nas conversas com os petebistas.
Não é só o PT que está de olho nos progressistas, os peessedebistas tentam também aproximar-se dele, o problema é que o PP já tem o Ministério das Cidades no governo atual, o que dificulta a aproximação com o PSDB.
Um racha na bancada da câmara quase aproximou o PP do PSDB, mas foi apaziguado a tempo pelo senador Francisco Dornelles (PP-RJ). Esse mesmo tem sido visto com bons olhos para vice de Serra, caso Aécio não queira compor a chapa peessedebista.
Será que o senador Dornelles continuará se posicionando ao lado do PT sem ser tentando pela possibilidade de ser vice de José Serra?
Ou será que o status de ter um ministério manterá os aliados, como disse o ministro das Relações Institucionais Alexandre Padilha (PTB) “Ninguém desdenha um ministério”.
Se ter um ministério nas mãos de qualquer partido é primordial todo mundo vai permanecer no palanquepetista.
Enquanto nada se define nas alianças continuamos de olho nos partidos.

Fonte: Tucanos e petistas cobiçam apoio do PP e PTB (Folha de São Paulo)

sábado, 24 de abril de 2010

Dilmês


                                                                Roque Sponholz

A (pré) candidata a presidência Dilma Rousseff vem sendo reformulada pelo seu partido, mudou o jeito de vestir, a entonação de voz e até mesmo simplificou seu português, criaram o Dilmês. Este jeitinho que a petista adotou chega a incluir alguns deslizes ortográficos com a intenção de conquistar a população.
E agora resolveu adotar a idéia de Michelle Bachelet, ex-presidente do Chile, e se lançar candidata à presidenta, como se fosse um diferencial da sua candidatura da dos outros candidatos, a Folha Online entrevistou vários especialistas sobre o impacto que esse termo pode ter.
Alguns consideram desnecessário, já que os dicionários não consideram obrigatória a utilização do termo “presidenta”, outros acreditam ser um risco pois pode agradar aos eleitores, como pode causar estranheza. A professora Suzana Moreira de Lima disse que é o correto, e que isso pode romper com o machismo da língua, a discussão será aberta.
Mesmo sendo o uso correto da linguagem o meu ponto de vista é que usar este termo ou não é indiferente, pois mesmo usando sempre o termo no masculino nunca vi como discriminante.
Parece que os petistas estão querendo mesmo é enfeitar o pavão, como já vinham fazendo com a (pré) candidata, se isto é importante ou não para a eleição vamos ver só no resultado final.
Nós já estamos de olho nos (pré) candidatos.

Fonte: Uirá Machado/ Reportagem Local Folhaonline (http://www.folha.com.br/)



Mensagem Subliminar

                                                         Roque Sponholz

O PT questionou a propoganda dos 45 anos da TV Globo, os petistas entenderam como favorecimento a José Serra do PSDB.
Será que os petistas vão reclamar a rede de TV de favorecer o Partido Republicano Brasileiro?
A legenda do PRB tem o número 10 e programas como Caldeirão do Huck e Altas Horas estão completando dez anos.
Se a preocupação é mensagem subliminar tem que ficar de olho em todas.
A rede Globo divulgou comunicado explicando a campanha, e quando ela foi elaborada (texto abaixo), continuamos achando que foi uma preocupação desnecessária do PT com a vinheta.

Confira o comunicado na íntegra:

"O texto do filme em comemoração aos 45 anos da Rede Globo, que começou a ser veiculado ontem à noite, foi criado – comprovadamente - em novembro do ano passado, quando não existiam nem candidaturas, muito menos slogans eleitorais.
Qualquer profissional de comunicação sabe que uma campanha como esta demanda tempo para ser elaborada. Mas a Rede Globo não pretende dar pretexto para ser acusada de ser tendenciosa e está suspendendo a veiculação da campanha na televisão". (18/03/2010)

Nós continuamos de olho na corrida eleitoral.

Que novelinha


                                                          

Parece que não está tão fácil a aliança entre PT e PDT, como disse via twitter o senador Álvaro Dias " Que novelinha". A colunista Ruth Bolognese comentou ontem que há alguns dia Osmar insiste negociar apenas com o presidente Lula, e o chefe maior está sem pressa para conversar com o pedetista.
Será que todos aquelas declarações boazinhas do deputado André Vargas é só para enrolar os pedetistas enquanto realizam alguma pesquisa?
O PDT que fique de olho senão acaba sozinho nessas eleições.
E nós continuamos de olho neles.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Virada de mesa


Alguma coisa rolou em Brasília que fez o deputado e secretário nacional do PT André Vargas mudar completamente sua posição quanto à aliança entre petistas e o PDT do senador Osmar Dias.
Ontem já deu sinais de que é “favorável” a formalização das negociações, mesmo depois de tantos entraves entre os partidos, uma virada de mesa para o PDT que não vinha agradando o diretório estadual.
Hoje declarou que diante dos rumos que as outras legendas tomaram para estas eleições, e devido ao interesse já demonstrado do PDT em formar o palanque de Dilma Rousseff estão aptos a negociar.
O partido dos trabalhadores quer apenas que os pedetistas respeitem as decisões, mais precisamente a candidatura ao senado de Gleisi Hoffmann, se tudo ficar como o PT quer é a candidatura própria que pode naufragar.
Muitos pedetistas não tinham interesse, e outros nunca aceitaram essa aliança, até o presidente em exercício do partido o deputado Agustinho Zucchi declarou ontem que não gostaria que essa aliança se concretizasse, pelo visto vão ter que engolir e estar no palanque petista.
Mas será que tanto impasse nessas negociações já não gerou um desgaste para os dois partidos?
Enquanto isso ficamos de olho.

Fonte: André Vargas afirma que aliança com Osmar Dias sai na semana que vem (Blog do Esmael: http://www.esmaelmorais.com.br/)

Zuchi diz que reza para que aliança com o PT não saia ( Blog Fábio Campana: http://www.fabiocampana.com.br/)  

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Outro capítulo

A conversou mudou depois da reunião realizada em Brasília com os membros do diretório estadual e nacional do PT.
O deputado André Vargas que vinha com declarações apimentadas contra os pedetistas declarou em entrevista ao portal Band B que a cúpula do partido tentará negociar a aliança com o PDT.
“Queremos o casamento com o PDT, mas nossa vontade tem limite”, diz Vargas
O deputado que por várias vezes cutucou Osmar Dias, chegando a chamá-lo até de tchutchuca parece ter engolido a decisão da executiva nacional e vai participar do que chama de última conversação.
Vargas afirmou ainda que é importante para o palanque de Dilma Rousseff o PDT.
Ele falou ainda que Dias num primeiro momento entendeu a importância da candidatura ao senado de Gleisi Hoffmann e depois mudou e a quis como sua vice gerando o impasse entre os partidos.
Como as coisas mudaram rápido de uns dias para cá.
Vamos ficar de olho que essa novela reserva muitos capítulos.


A bola da vez


O PDT demonstrou que está com a bola cheia com a executiva nacional do PT, como o diretório estadual o deixou de lado da agenda da (pré) candidata Dilma Rousseff o senador deu uma virada na mesa e conseguiu o cancelamento da visita da petista.
O presidente estadual do partido Ênio Verri foi a Brasília tentar levantar a bandeira da candidatura própria, mas pelo visto não teve sucesso à ainda viu que o diretório nacional, ou até mesmo o presidente Lula vê a aliança como o PDT necessária.
Agora parece que a maré está boa para os pedetistas além do PT o PSDB vem procurando o partido com intenção de convencer Dias a deixar a candidatura ao governo concorrer ao senado. Isso formaria o palanque dos sonhos para José Serra.
Será que Dias aceitaria ser coadjuvante já que tem reais chances de fechar a aliança com o PT?
Nós continuamos de olho nessa negociação?

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Parabéns Brasília

                                                          Roque Sponholz

Que todos os brasileiros recuperem a esperança nos políticos.
Que nós próximos aniversários da capital seja comemorado o progresso da nação, sem as manchas da corrupção.
Parabéns Brasília!

Chegou o Ibope

 
                                                                Roque Sponholz

Todos os (pré) candidatos reclamaram das outras pesquisas, José Serra da SENSUS, PT da Datafolha e todos falaram que só confiavam no IBOPE, pois é ele chegou e os partidos será que pretendem reclamar agora?
Encomendado pela associação Comercial de São Paulo realizada entre 13 e 18 de Abril aponta José Serra com 36 % e Dilma Rousseff 29 %, ou seja, a variação dos números anteriores dentro da margem de erro normal das pesquisas mostra que o cenário atual está dentro da normalidade.
Esse resultado foi divulgado pela manhã e até agora ninguém reclamou. Será que a troca de farpas que estava marcando a pós-pesquisas se encerrou?

Negócio arriscado

                                                                 Roque Sponholz

O governo federal não recuou diante das inúmeras manifestações, e mesmo com a gigantesca batalha judicial travada, realizou ontem o leilão para a escolha do grupo responsável pela construção da hidrelétrica Belo Monte.
Este projeto integra o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e é considerada como o segundo investimento mais alto do programa. Se concluída a hidrelétrica será a terceira maior instalada no mundo.
O projeto nunca foi visto com bons olhos dentro de vários segmentos, o pesquisador do Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo Francisco Hernandez coordenou um estudo crítico. Neste trabalho faz uma explanação de que além do impacto ambiental à usina pode não atingir uma grande capacidade de produção.
Se olharmos para o cenário eleitoral um projeto ganho no grito dentro dos tapetões da justiça, e com um movimento organizado contra ele não pode interferir no resultado das eleições?
Ele pode atender a grandes investidores que também são grandes doadores de dinheiro para as campanhas, mas hoje se o eleitor ainda desconhece o processo político tem muita informação para esclarecê-lo.
E nós queremos contribuir também, por isso estamos de olho.

Tiradentes (1746-1792)

                                                                                                                            Brito


"Dez vidas daria se as tivesse, para salvar as deles!" Tiradentes
 Obs.: Palavras do mártir ao saber que a rainha concedera clemência a seus companheiros condenados a morte, excluindo ele do perdão.

terça-feira, 20 de abril de 2010

Dilmaaaaaa

                                                          Roque Sponholz

De tanto ser criticada como a sombra do presidente “cabo eleitora” Lula a (pré) candidata petista decidiu colocar a boca no trombone e criticou as últimas invasões realizadas pelo MST. As declarações fora dadas hoje em entrevista à Rádio Jornal de Pernambuco.
A candidata pode ter falado um pouquinho além do necessário afirmou que o governo deve sempre apoiar a legalidade, ou seja, considera ilegais as invasões e manifestações do MST, ele parecer ter esquecido que a gestão petista sempre esteve ao lado do movimento.
Dilma que vinha tomando cuidado com as palavras resolveu polemizar sobrou até para as greves em São Paulo, criticou os grevistas, pois considera que não é certo tumultuar a ordem pública durante as manifestações.
No seu ponto de vista governo e uma coisa e movimento social outra foi a única preocupação que teve com as palavras. Deixou nas entrelinhas sua posição de como deve ser tratado os movimentos sociais pelo governo.
E até no encerramento polemizou ao dizer que é contrária com a política de enfrentamento, esta é a mais usada em diversos segmentos.
Será que o presidente Lula vai dar um puxão de orelha na sua candidata? Ou tentará mudar a imagem da petista junto aos movimentos sociais?
E os movimentos sociais que normalmente são grupos numerosos de eleitores vão caminhar com o PT depois dessas declarações?
Nós continuamos de olho nos candidatos.

A novela PT e PDT continua?


Não dá para entender o que acontece realmente entre o PT e o PDT, a executiva nacional está preocupada com o diretório estadual, estão estudando até uma intervenção.
O presidente estadual do partido, deputado Ênio Verri, declarou ontem que não há a possibilidade da direção nacional intervir nas decisões do PT-PR. Lembrou ainda que o presidente Lula seja favorável a candidatura de Gleisi Hoffmann ao senado, ou seja, não há interesse de torná-la vice na chapa com o PDT.
O deputado André Vargas que não quer nem saber de ver petistas e pedetistas juntos soltou o verbo em entrevista a FM Tropical, falou que não confia em Osmar Dias (PDT-PR) e que ele já demonstrou isso ao combinar uma coisa com o presidente Lula e cumprir outra aqui no Paraná.
O PT tem que se apressar por aqui, pois o PSDB vem embalado pela candidatura de Beto Richa que apóia José Serra, enquanto os petistas estão sem palanque no Paraná.
Enquanto nada é definitivo no PT-PR nós continuamos de olho.

domingo, 18 de abril de 2010

Quem é você?

                                                               Roque Sponholz


O instituto Datafolha apresentou o cenário de resultados dos pré-candidatos à presidência, mas hoje a Folha de São Paulo levantou o cenário alternativo da pesquisa, se o eleitor realmente sabe quem são os candidatos e seus aliados.
Como sempre o Datafolha perguntou se o entrevistado sabe quem é o candidato do presidente Lula, atualmente 61 % liga Dilma Rousseff a ele, em dezembro apenas 52 % tinham esta referência.
Lógico que isso se deve a proximidade do período eleitoral, ao número de declarações que a indicam como a candidata petista, fora os inúmeros eventos realizados pelo governo federal, e a ampla divulgação da ligação dela com o PAC.
Os eleitores não sabem ainda afirmar o partido da (pré) candidata isso é um fato preocupante no meu ponto de vista, as pessoas não têm um envolvimento com as eleições, votam simplesmente num nome, desconhece a sua ideologia ou mesmo o seu plano de governo.
Mais preocupante ainda é que temos eleitores que acreditam que José Serra (PSDB) é apoiado pelo presidente Lula, podem até falar são apenas 5 % mas é considerável esse número de pessoas desinformadas.
Na pesquisa espontânea muitos entrevistados declaram voto em um candidato e depois com a lista de alternativas mudam seu voto, isso para mim deveria ser declarado no resultado final como indeciso.
Se um eleitor encontrar um candidato na rua e ele cumprimentá-lo corre o risco de ouvir a pergunta “Quem é você?”.
Já se passaram quase 21 anos da primeira eleição direta no Brasil e a população ainda desconhece o que é um partido, quem realmente são os candidatos, e o que esperar deles enquanto governantes.
A população tem que começar a ficar de olho nas eleições.
Nós já estamos de olho na corrida eleitoral.



sábado, 17 de abril de 2010

Os apressadinhos



Os (pré) candidatos ao governo do Paraná estão apressadinhos para conquistar a vaga no Palácio das Araucárias, o clima não está nada amistoso por aqui.
O PDT quis ser o espertinho da vez. Deixou de lado as desavenças com o PT e tentou emplacar a aliança, mas criaram uma novela, nos capítulos apareceu de tudo, lista de exigências, troca de farpas, interferência do presidente Lula e nada foi acertado.
E mesmo com as negativas dos petistas em aceitar tudo que o PDT quer, eles continuam querendo mais, ontem o comentário era de que se Lula não interferir e conseguir fechar o acordo entre os partidos os pedetistas declarariam apoio a José Serra e formariam o 2 palanque peessedebista.
Será que essa ameaça e para o PT ou o PDT tem esperança de que ao apoiar Serra consigam retirar uns votinhos de Beto Richa?
O candidato peessedebista é o mais apressadinho de todos deixou a prefeitura de Curitiba com a mala na mão, e desde então percorre o interior em busca de votos, se é campanha antecipada ou não cabe ao TRE decidir.
O PMDB está numa sinuca de bico uma ala do partido não queria o nome de Orlando Pessuti como candidato, os peemedebistas tentaram engolir.
Foi só sentar no trono de imperador das Araucárias que criou coragem para enfrentar o ex-governador Roberto e Requião, demitiu aliados e despertou a ira do seu antecessor, além de que dentro do seu próprio partido aumentou o número de interessados em afundar sua candidatura.
Outro dia que falei dos nossos (pré) candidatos acabou ficando de fora o PPS, o clima não é nada amistoso na legenda, eles que já cogitaram apoiar o PDT, desde que eles não tivessem firmado aliança com o PT.
Depois surgiram comentários de que poderiam estar na chapa do PSDB indicando o nome do vice-governador.
Hoje quando foram discutir essa possibilidade o clima esquentou entre os aliados, trocaram farpas e o divulgaram que ficariam com a candidatura própria, ou seja, mais um mandato as sombras de outros partidos.
Questionaram-me também da ausência do PV no outro comentário sobre os (pré) candidatos, eles terão candidato próprio o vereador de Curitiba Paulo Salumani.
Os apressadinhos são os (pré) candidatos dos partidos maiores, o PPS está em discussão e o PV apenas indicou o seu nome.
Enquanto nada é definitivo nos continuamos de olho.

Batalha eleitoral

                                                            Roque Sponholz

Não estamos ainda no período de campanha, mas as pesquisas estão mais parecidas com ataques aos inimigos, é só uma ser divulgada que se inicia a troca de acusações.
Pesquisa Datafolha realizada nos dias 15 e 16 publicada hoje na Folha de São Paulo traz dois cenários, com o nome de Ciro Gomes (PSB) incluído como candidato José Serra (PSDB) fica com 38 % das intenções de votos e Dilma Rousseff (PT) com 28%.
Num outro quadro sem a presença de Ciro Gomes a diferença entre os candidatos cai para 8%, Serra aparece com 40 % e Dilma 30 %.
Foi só essa pesquisa ser publicada que peessedebistas comemoraram e os petistas reclamaram da mesma forma que o PSDB questionou a pesquisa do instituto Sensus.A reclamação do PT e porque o cenário está diferente do anterior, no qual apresentava um empate técnico entre Serra (32,7%) e Dilma (32,4%), quando esta foi divulgada o PSDB estava lá pronto para reclamar.
Até o período eleitoral esta troca de farpas dos partidos vai cair até sobre as pesquisas, e muito porque vários institutos despejarão várias delas sendo divulgadas por todos os lados.
Veremos uma chuva de ações na justiça eleitoral, pré-candidatos tentando embalar campanha, burlando o pleito e dando um jeitinho de estar na mídia, mesmo que seja para reclamar seu nome poderá estampar jornais, e sua imagem aparecer nos programas de TV.
As pesquisas nasceram para divulgar uma amostragem do que pode ser o resultado das eleições, não para ser uma arma na batalha eleitoral. Muita preocupação com o que foi divulgado pode ser segundas intenções dos candidatos.
Nós continuamos de olho na corrida, que mais se parece uma batalha eleitoral.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Xeque-mate



A situação criada durante a discussão da aliança entre PT e PDT parecia ter sido encerrada por ambas as partes. Surge agora a possibilidade de um novo capítulo o renascimento das negociações.
O senador Osmar Dias ontem em entrevista a rádio CBN afirmou que será candidato, e declarou que solicitou audiência com o presidente Lula, ele quer perguntar se poderá contar com o apoio dos petistas paranaenses.
Ele novamente falou que o PT-PR demonstra que a prioridade do partido e a eleição para o senado. O pedetista disse estar interessado em montar o palanque de Dilma Rousseff, e que os petistas afirmaram terem encerrado as negociações.
Será que o motivo dessa audiência com o presidente e fazer com que q executiva nacional determine ao PT-PR que seja feita a aliança com o PDT-PT?
Essa aliança não parece mais uma novela e sim um jogo de xadrez, onde todos os eleitores estão aguardando o xeque-mate.
E nós continuamos de olho.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Os (pré) candidatos


Os (pré) candidatos ao governo do estado no PR encontram-se em situações opostas. Cada um parece estar numa situação muito diferente do outro.
O nome do PSDB o ex-prefeito de Curitiba Beto Richa está tentando acelerar sua campanha, numa situação confortável em Curitiba e Região metropolitana pegou sua equipe e partiu rumo ao interior, em busca dos eleitores de todo o estado.
O PDT continua no impasse com o PT, Osmar Dias fala que não quer mais, depois membros dos dois partidos declaram que a aliança pode ser firmada, e o movimento petista favorável a candidatura própria continua crescendo.
O PMDB que vem afirmando que terá candidatura própria pode ficar estremecido, o ex-governador Roberto Requião depois de discordar de nomeações do seu sucessor Orlando Pessuti ameaçou tentar inviabilizar a candidatura do peemedebista. Não podemos esquecer que o nome do pré-candidato não já não era uma unanimidade no partido.
Vamos ficar de olho se os candidatos não estão realizando campanha antecipada. Se ele tenta enganar a justiça eleitoral imagina o seu eleitor.
E nós continuamos de olho nos candidatos.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Alianças enroscadas

                                                                 Roque Sponholz

A corrida pela presidência está intensa, no último dia 13 foi divulgada a pesquisa do instituto Sensus apresenta um empate técnico entre Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB).
Os dois candidatos estão aproveitando todos os espaços possíveis de divulgar seus nomes em eventos, entrevistas, rede de amigos na internet, embalados por uma (pré-) campanha.
Nessa corrida Serra tem uma pequena vantagem, o PSDB não encontra dificuldades em fechar alianças nos estados, diferente do PT que além de está com problemas. No placar das negociações enroladas está 15 para o PT, e 3 para o PSDB.
O PT tem que ficar de olho aberto, porque está com alianças enroscadas em grandes colégios eleitorais.
E nós continuamos de olho na corrida eleitoral.

terça-feira, 13 de abril de 2010

O clima esquentou

                                                                                                      Foto: Arnaldo Alves. / AENotcias

Não faz muito tempo ouvi de um amigo que era só Orlando Pessuti assumir o governo do estado que a relação entre ele e Requião ficaria estremecida. O clima amistoso entre os dois registrado na foto acima, no dia da pose, já acabou.
Agora pouco em entrevista coletiva Pessuti anunciou as mudanças no secretariado, mas pelo visto desde cedo já haviam alertado o ex-governador Roberto Requião que começou o dia com suas tecladas bombásticas no twitter.
Requião parece ter esquecido que não tem o poder mais sobre as decisões do governo, e chegou a declarar que se quer conhecer o inimigo dê o bastão a ele.
Foram inúmeras as disparadas do ex-governador sobrou até para o candidato Osmar Dias, falou que ele anda soprando essas idéias para Pessuti, com a intenção de enfraquecer a candidatura do peemedebista, pois este desmanche causaria um mal estar entre aliados.
Até ameaçou a candidatura do PMDB, declarou que se Pessuti não emplacar sua candidatura, o partido partiria para negociar uma possível aliança.
Será que Requião sem o governo e sem ser o comandante do partido tem todo esse poder de decisão?
E qual postura Orlando Pessuti tomará já que ele é o atual governador?
Andam dizendo por aí que muitos peemedebistas contrários a candidatura própria estão adorando ver o circo pegar fogo.
Enquanto nada é definitivo na corrida pelo governo do Paraná nós continuamos de olho.

Dica

 
                                                     Roque Sponholz
                                                                                    
Não basta ter o marqueteiro Ben Self, ele tinha o candidato Barack Obama.
E para a candidata petista fica a dica uma colinha com o nome da cidade e das autoridades locais não é crime eleitoral, e ajuda evitar alguns constrangimentos.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Para refletir

                                                                   Roque Sponholz

O Supremo Tribunal de Justiça concedeu liberdade ao ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda.
Os mesmos ministros que por muitas vezes mantiveram sua reclusão com a justificativa de que solto poderia atrapalhar as investiagações, hoje por 8 a 5 deram parecer favoravél a liberdade de Arruda.
Será que os ministros acreditam que a perda do mandato fez com que seus poderes se esgotassem e que livre ele não teria condições de atrapalhar?
E a rede de interesses criada ao longo de anos de vida pública, e que se pérpetua com ou sem mandato, não poderá interferir nas investigações?
Vamos ficar de olho em Brasília.

Alguém tem que ceder

                                                                                               Roque Sponholz


Para se concretizar a aliança entre PT e PDT alguém tem que ceder, com medo do partido encolher no PR, ou de serem obrigados a engolir uma intervenção do diretório nacional, petista estão caminhando para aceitar as exigências dos pedetistas.
O PT que depois das trocas de farpas com o PDT retomou até a discussão da candidatura própria, e com medo de um vexame eleitoral, pois suas opção de candidatos não tem grande expressão eleitoral, está preste a aceitar todas as exigências pedetistas.
Os petistas ainda correm o risco de viver uma intervenção no diretório estadual, o próprio presidente Lula não esconde de ninguém a necessidade de emplacar um palanque forte no Paraná, e se seus aliados paranaenses não cederem e naufragar a aliança à decisão pode vir de cima para baixo.
O ex-secretario geral do PT Florisvaldo Souza declarou ao jornalista Abrão Benício (Bem Paraná), as inúmeras dificuldades de organizar uma candidatura própria de repente. Sairiam em desvantagem com outros partidos que vêem anunciando suas candidaturas há algum tempo.
Os petistas estão com medo de encarar a candidatura própria, mas estão aceitando o risco de deixar Gleisi Hoffmann como vice de Dias, e ficar de fora do senado e sem o lugarzinho no governo do estado.
Tudo para conceder a candidata petista à presidência Dilma Rousseff  um palanque no PR, com expressão eleitoral, não um palanquinho.
E nós continuamos de olho na novela PT e PDT, não está fácil de emplacar essa aliança.

domingo, 11 de abril de 2010

Dilma no ABC

                                                              Roque Sponholz

O PT voltou as suas origens neste final de semana, para competir com o evento de lançamento da pré-candidatura de Serra, e nada melhor do que um grande palco no ABC paulista, berço do movimento sindical no Brasil.
No seu novo perfil a (pré-) candidata Dilma Rousseff, mais sorridente de quando era a ministra de Minas e Energia, começou falando que estava lá para mostrar as coisas que fez pelo Brasil. Afirmou que poderá fazer muitas outras quando eleita, e que seus adversários têm que dizer quem são para os eleitores.
Usou seu discurso para esclarecer algumas críticas, declarou não ter medo de lutar pelos seus ideais, falou que sempre defenderá suas convicções.
Para suavizar os comentários da época em que foi militante, no período da ditadura, chegou a dizer que as coisas que fez durante as várias épocas da sua vida, foram por acreditar ser as atitudes corretas.
Afirmou que durante a sua campanha não vai usar métodos desonestos, e condenáveis para alcançar a vitória, as mudanças no seu perfil enquanto (pré-) candidata deve ter sido uma coincidência, não tomamos partido do outro candidato, mas a ex-ministra mudou muito no último ano.
Usou o discurso para fazer uma crítica velada aos seus adversários, disse que não vai entregar as nossas riquezas, e nem dilacerá-las, uma forma discreta de relembrar as privatizações do ex-governo peessedebista.
Aproveitou para falar dos movimentos sociais, ela que começou a ter contato direto com várias ramificações destes em 2003 quando se filiou ao PT. Não esqueceu de falar do quanto defende a democracia, o voto, e as opiniões, seria uma forma de afirmar que veremos mantida a liberdade de imprensa e os direitos civis. Outra forma sutil de criticar os peessedebistas foi declarar que nunca tratará grevistas como casos de polícia, não podemos que esquecer da batalha da polícia paulista contra uma manifestação que ocorreu na última semana do governo de Serra.
E nos momentos finais do discurso para encerrar não podia deixar de usar uma célebre frase do presidente cabo eleitoral Lula “Companheiros e Companheira”.
Hoje não vamos entrar no mérito se foi campanha antecipada ou não, mas vamos continuar de olho nos passos dos candidatos.
Estamos de olho.

Serra em Brasília

                                                                                               Roque Sponholz

O PSDB escolheu a capital do governo federal para lançar a pré-candidatura de José Serra, organizou evento de grande porte, colocou como mestre de cerimônias à apresentadora Ana Hickmann.
O clima de campanha reinava por lá, mas hoje vamos deixar isso de lado e falar do discurso do candidato, porque estamos repetitivos de tanto lembrar aos eleitores que todos já estão em campanha.
O pré-candidato José Serra e seu partido fez o dever de casa direitinho, colocou Aécio Neves para falar do candidato, numa tentativa de mostrar que não há divergências entres os dois principais nomes do PSDB.
Serra em seu discurso não atacou em nenhum momento a atual administração, mas deixou claro que as conquistas existem graças aos 25 anos de Democracia, e a estabilidade econômica que veio com a constituinte e o plano real.
Não falou abertamente do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mas não deixou de lado as conquistas do Plano Real, e suas próprias conquista no governo FHC, quando ocupou o Ministério da Saúde.
Exaltou as suas qualidades pessoais e suas crenças, e que estas garantem a ele a sensação de que o Brasil ainda pode muito mais, do que já vem alcançando.
E não esqueceu de falar sobre integração, de união entre as regiões, quis apagar a imagem de que ele é um homem do sudoeste e não vai preocupar-se com o norte e nordeste. Lembrou da principal do governo que é servir a toda a população, sem excluir.
Foi sutil em falar da ditadura, só tocou a importância que o movimento estudantil teve na sua vida, um leve ataque a candidata petista, que naquele período militou na guerrilha.
E para não esquecer os trabalhadores, e em busca de eleitores de todas as camadas da população lembrou seu pai. Citou a sua infância e frisou que seu pai sempre trabalhou por 12 horas diárias, quis mostrar a grande parcela da população que sua família batalhou como muitos batalham.
Como já (pré-) candidato fez muito bem o dever de casa, linguagem clara, buscou não deixar de lado nenhum ponto fundamental na administração pública, saúde, educação, segurança, emprego.
Se o governo FHC vai ser valorizado ou não na campanha peessedebistas isso é outra conversa, mas que veladamente as conquistas desta administração estiveram nos discursos do evento de Brasília todos notaram.
Nós ficamos de olho no lançamento do PSDB em Brasília sim, mas se houve ou não campanha antecipada isso é uma outra conversa.
Daqui a pouco vamos falar do evento petista no grande ABC paulista, porque nós estamos de olho.

sábado, 10 de abril de 2010

Desculpas?

                                                              Roque Sponholz

Pedir desculpas ao judiciário não apaga o que foi dito antes. Será que o senhor presidente ao menos no ano eleitoral não vai medir suas palavras?
Ou isso é um sinal de prepotência de um governante que acredita ser um novo mártir?
Vamos ficar de olho no que é dito também.

Tô nem aí


Hoje o PSDB está realizando um mega-show, em Brasília, com apresentadora loira e famosa como mestre de cerimônias, eles falam que é só pré-lançamento de candidatura. Todas as lideranças peessedebistas e muita imprensa reunida, para a mídia amplamente divulgar José Serra.
Uma forma de alongar um pouquinho mais a campanha são esses pré-tudo que os candidatos agora realizam, foi-se o tempo em que candidato era aclamado apenas nas convenções partidárias.
Para não ficar atrás, e ter seu nome divulgado por aí os petistas estão realizando no mesmo horário dos tucanos, evento no ABC Paulista, a pré-candidata Dilma Rousseff, e sua nova fase paz e amor, muito diferente da mão de ferro de antes da campanha estará lá ao lado do seu cabo eleitoral número um o presidente Lula.
Depois ficamos vendo um ataque, um acusa ao outro de campanha antecipada, mas mega festa em Brasília e no ABC são o que, conversa de compadres?
Nós eleitores temos que ficar de olho, se o candidato não respeita nem o período de campanha vai respeitar os nossos direitos.
E o Tribunal Superior Eleitoral tem que ficar de olho nos passos do candidato, e nos discursos dos aliados, porque eles não estão nem aí para as leis que regem o pleito.
Aqui nós continuamos de olho neles.



sexta-feira, 9 de abril de 2010

De olho no eleitor

                                                                                            Roque Sponholz

O PSDB realizará no próximo sábado, em Brasília, reunião com 2000 filiados para lançar a pré-candidatura de Serra. O evento vai ser transmitido pela Internet pelo site do partido.
Contrataram a apresentadora da rede Record Ana Hickmann como mestre de cerimônias. Toda a festa quer dar mais visibilidade ao PSDB, que está de olho nos possíveis votos que podem conquistar com tanto marketing.
O PT já fez a festinha da sua pré-candidata, e ela além de sorrisos, que nunca foram seu forte, ela começou a série de entrevistas polêmicas sobre os seus adversários.
Se isso não é campanha antecipada, não sei direito quais os critérios do TSE.
Vamos ficar de olho nos candidatos.

Agora acabou?

                                                         Roque Sponholz

A aliança entre o PDT e PT, no meu ponto de vista, sempre foi instável, desde o início das negociações. Além das divergências ideológicas, uma guerra de interesses vinha de ambos os lados.
Sempre recheada de declarações polêmicas, dos dois partidos, falava-se em listas de exigências de um lado, do outro vinha às negativas. E começaram a marcar reunião, para discutirem a próxima e nada era formalizado.
Depois da declaração do presidente estadual do PT Ênio Verri de que era inviável a aliança entre os partidos, começaram pipocar na mídia declarações, cada uma com sua justificativa. Ficou tão confuso porque o eleitor não entende quem não quer mais realmente.
A novela continuou, ontem, o ministro Paulo Bernardo em entrevista para o site Paraná Online declarou que a aliança no primeiro turno entre PT e PDT é impossível.
“Nós não temos como atender ao senador Osmar Dias. E se não for possível avançar, não vamos nos tornar inimigo ou adversário. Quem sabe seja possível no segundo turno”, afirmou o ministro.
E o capítulo de hoje já começou o deputado estadual e presidente estadual do PT Augustinho Zuchi declarou, em entrevista ao site HoraHnews, que as declarações do deputado estadual André Vargas, resultaram na desistência do PDT, e do senador Osmar Dias em manter a negociação com os petistas.
Não podemos esquecer que estas foram declarações de Zuchi, vamos aguardar os pronunciamentos do diretório petista, e do pedetista também.
E o presidente Lula que faz questão de firmar esse palanque para Dilma no PR, o que está achando da troca de farpas entre os partidos?
Vamos ficar de olho no próximo capítulo da novela.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

A novela continua?


                                                                                   Roque Sponholz


Os petistas afirmam que é inviável continuar a discussão com o senador Osmar Dias (PDT-PR), a sua assessoria enviou via e-mail áudio, o qual informa a suspensão das negociações entre PT e PDT.
Muitas especulações em torno dessa aliança foram levantadas, e com o anunciou do rompimento outras surgiram. Todo mundo quis aparecer o senador mesmo passou o fim da tarde de ontem respondendo perguntas no twitter.
O deputado federal André Vargas (PT-PR), lembrou sempre das exigências do PDT para firmar a aliança. Declarou até que tinha muitas coisas na lista, não apenas a ex-presidente do PT estadual Gleisi Hoffmmann como vice na chapa do governo do estado.
A petista afirmou que a candidatura ao senado sempre esteve no seu projeto político, mas que se o partido decidir por outros rumos ela seguirá as determinações, ou seja, se o PT acertar com os pedetistas sua indicação vice, ela aceitará.
Para enrolar deixar o eleitor mais confuso, o senador Osmar Dias, falou em entrevista a rádio Band B, que o presidente Lula quer o PDT na base aliada do governo, todos sabem que o interesse é o palanque de Dilma.
O pedetista falou ainda que respeita a candidatura de Gleisi ao senado, mas que como candidata a vice iria agregar ainda mais, em alianças, e esta fortaleceria a chapa.
Sutilmente criticou comentários que vem circulando pela internet, os quais considera prejudiciais as discussões.
Esse comentário foi um recado para alguns petistas que apareceram dando declarações contrárias à aliança?
Muitos falaram que as negociações estão encerradas, mas será que o presidente Lula vai engolir a decisão do diretório estadual?
E nós continuamos de olha nos próximos capítulos da novela PT e PDT.

terça-feira, 6 de abril de 2010

Capítulo Final?

                                                             Roque Sponholz

A novela formada em torno das discussões entre o PT e o PDT chegou ao fim, na tarde de hoje, o presidente estadual do diretório petista, Ênio Verri, anunciou que as possibilidades dessa aliança ser firmada tornou-se inexistente.
O principal motivo da desistência do PT foi o cancelamento da reunião, ela aconteceria no próximo dia 10, com o objetivo de formalizar a chapa PT e PDT.
As diversas tentativas pedestistas em impor exigências, talvez tenham sido o estopim, ao invés de ceder os petistas decidiram encerrar as conversas. Acreditam que o fato de o senador Osmar Dias ter desmarcado é sinal de desinteresse dele.
O senador vinha tentando ter como sua vice-candidata Gleise Hoffmann, o PT não abriu mão dela ser a candidata ao senado, e nem a petista demonstrava vontade de disputar a chapa do governo do estado.
Tantos desencontros não foram favoráveis, aqui no Tô-de-Olho, muitas vezes discutimos, se essa aliança emplacaria ou iria naufragar.
No fim da tarde o pedetista respondeu perguntas pelo twitter. Na página de relacionamentos confirmou sua candidatura, desmentindo boatos que seria vice na chapa do PSDB.
Perguntei ao senador diante da desistência do PT, o partido discutiria a possibilidade de chapa única, ou conversaria com outros partidos.
A resposta foi “Osmar_Dias @cintiabruno Estamos conversando com vários partidos.”
Será que as conversas já vinham acontecendo porque os pedetistas não confiavam na palavra dos petistas?
E o PPS que ainda estava quietinho no seu canto, mas que já falou por aí o interesse de apoiar o PDT, pode emplacar como vice de Osmar Dias?
Vamos ficar de olho se presenciamos o capítulo final, ou ainda teremos outros episódios da Novela Paranaense.

A mártir de Lula

                                                                                              Roque Sponholz

Todos sabem que o presidente Lula é o principal cabo-eleitoral da ex-ministra Dilma Rousseff, pré-candidata a presidência. Mas agora a tentativa de sensibilizar os eleitores foi ao extremo.
A petista que foi presa durante a ditadura, por lutar contra o regime militar, foi comparada por Lula, no último sábado, a nomes como o lide sul-africano Nelson Mandela em entrevista a rede de TV BAND.
O presidente criou para os seus eleitores a sua mártir, para ele a mulher que sofreu, e que pretende encarar como uma batalha a presidência da república. Parece uma tentativa de conquistar os seus simpatizantes, pois muitos continuam indecisos quanto a sua pretendente a sucessora.
O cabo eleitoral Lula vai ter que controlar seus aliados, não basta emplacar Dilma, assessores, marqueteiros e jornalistas do PT, travam batalha interna, todos querem um lugar de destaque na campanha. Todo cuidado para não atrapalhar a candidatura do PT é prioridade para o presidente.
Enquanto a pré-campanha entre os partidos toma forma, nós continuamos de olho no período eleitoral.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Os ministros figurantes.

                                                                                              Roque Sponholz

Os novos ministros, já empossados, assumiram hoje efetivamente seus lugares, mas quem está chegando pode ficar bem quietinho na sua respectiva cadeira.
Os novos nomes serão apenas figurantes, ocupando o lugar dos pré-candidatos, pois a principal função deles é desempenhar suas atividades dentro da normalidade, e garantir popularidade para a pré-candidata Dilma Rousseff (PT).
O próprio presidente Lula disse que os novos ministros não terão tempo de emplacar nada, e sim trabalhar conforme a cartilha já estabelecida em cada pasta, serão meros figurantes.
Os ministros ficarão quietinhos em seus lugares, e aceitarão ser figurantes, deixando escapar a chance de aparecer na mídia e popularizar seus nomes?
Vamos ficar de olho nesses ministros figurantes.

domingo, 4 de abril de 2010

Marionete ou governante?

                                                                Roque Sponholz


O jornal O Globo publicou, ontem, uma matéria onde especialistas analisaram os discursos dos pré-candidatos a presidência. Selecionaram 32 discursos de José Serra (PMDB), 13 de Dilma Rousseff (PT) e 7 de Marina Silva (PT).
Fica clara a tentativa de Dilma em utilizar sempre a popularidade do presidente Lula (PT), ela citou ele 96 vezes, enquanto seu adversário Serra citou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) apenas 4 vezes.
A candidata do PV, Marina Silva, não ataca seus adversários, mas cita em seus discursos os pontos negativos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).
O presidente Lula que não é candidato, mas é o principal cabo-eleitoral de Dilma, só no mês de março em seus discursos fez 69 citações à ex-ministra, seria uma tentativa de propagar o nome da sua candidata para os seus eleitores?
A candidata petista se eleita será uma marionete do seu partido ou uma governante de voz ativa?
Vamos ficar de olho nos rumos da disputa pelo Planalto.

Dilma emPlACou?

                                                               Roque Sponholz

O instituto VOX Populi divulgou ontem pesquisa eleitoral, onde os números estão diferentes dos divulgados pela Datafolha na semana passada.
O cenário desta traz José Serra (PSDB) na liderança com 34 % das intenções de votos, e Dilma Rousseff (PT) com 31 %, pode-se considerar empate entre os candidatos, diante da margem de erro. Nessa pesquisa Ciro Gomes (PSB) aparece com 10 %, e Marina Silva (PV) 5 %, os votos brancos e nulos totalizam 7 %, e 13% não sabem ou não opinaram na entrevista.
Como estão distantes as chances de Gomes (PSB) montaram um cenário sem o nome dele, e neste Serra aponta com 38 %, seguido de Dilma com 33%, Marina Silva e brancos e nulos ficam com 7% cada, e sobe para 14 % os que não sabem ou não quiseram opinar.
Essa pesquisa divulgada logo após o lançamento do PAC II, é um sinal que Dilma emPlACou, ou há interesses de que um cenário de crescimento do PT posso atrair os indecisos?
Quem será o dono dessa pesquisa?
Vamos ficar de olho nesses pré-candidatos.